Não há nação para o povo, mas grande tortura pela perpetuação do poder

Nada mais constrangedor e enervante do que procurar qualquer repartição pública, dessas onde abundam a autoridade, o autoritarismo e a petulância. Humilhante a forma com que tratam você, especialmente em repartições ao estilo dos cobradores de impostos.
Em Os Donos do Poder, Raymundo Faoro diz que, “… o poder estamental burocrático concentra no Estado toda sua força e faz dele a impostação da voz-sócio-econômica e cultural do povo, não há, portanto, uma nação para o povo, e sim para perpetuação dessa forma de poder. Por essa razão é asfixiante …”, (p.181).
Mas quem é esse maldito Estado que ninguém conhece e que tanto nos oprime, explora e humilha e de quem tanto reclamamos? Existe uma coisa que manipula-nos? ou existem pessoas, em carne e osso como todos, travestidas de Estado e que perseguem-nos como se fôssemos, todos, delinqüentes inimigos potenciais?
Resultado de imagem para o poder estamental burocrático do Estado
Esse tal Estado é o resultado de pessoas, de gente como a gente que, de posse de algum cargo, arrota superioridade e sente-se superior. A petulância, a indiferença e o desprezo são inversamente à altura do cargo, quanto mais baixo, maior, e menor o respeito e o tratamento dispensados aos financiadores de seu emprego. Secretárias e secretários, porteiros e atendentes semi-analfabetos, protegidos do rei ou que decoraram alguma forma qualquer e passaram em um concurso qualquer, acreditam-se donos do poder, assenhoreando-se da verdade e mastigando chicletes ruminam seus recalques nos infelizes que caem em suas malhas burocráticas.
Esquecem-se – por indolência, senilidade, falta de inteligência ou de instrução – que já fizeram parte dos infelizes, são incapazes de compreender Karl Popper, in ‘As Origens do Conhecimento e da Ignorância’, de que (…) Vale a pena lembrar que, embora haja uma vasta diferença entre nós no que diz respeito aos fragmentos que conhecemos, somos todos iguais no infinito da nossa ignorância.
E eu, particularmente, nem sei se o mundo porventura já foi melhor, de toda maneira, estou com Gustavo Corção e, igualmente, creio que “.”.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s